Sexta-feira , 30 de Novembro DE 2007

Natureza Morta

http://www.overmundo.com.br/_overblog/multiplas/1173109592_estacao_ii.jpg

 

"Natureza Morta

 

Enquanto espero no palco

Pelo fim do acto

Olho em volta a cena

No anseio da porta do fundo.

O piso roda sem socalco,

Mas não cumpre o círculo do pacto.

Na esperança floresce o cardo da pena

Pela constante inanição do mundo.

 

Sempre foi a mesma determinação

De fraqueza e marasmo;

Sempre se jogou a carta atrasada.

Nunca houve decisão

De força e espasmo;

Nunca se revolveu a areia engessada.

 

E se o comboio está a chamar

Para nova jornada do destino,

Confiscam-se as malas na estação,

Para atrasar a partida.

 

Sei que não posso hesitar

Ou ensurdecer para o sino

De um enamorado coração

Com tamanha paixão contida!

 

Embarco para um mundo mágico

Que só se encontra no acaso

E a tempos da fortuna,

Pelos raros rasgos da sua neblina….

 

J Pópulo

MMVII"

Andarilhus "(º0º)"

XXX : XI : MMVII

música: Sisters of Mercy: Long Train
publicado por ANDARILHUS às 17:29
Sexta-feira , 02 de Novembro DE 2007

Fuego

 

http://burguet.home.cern.ch/burguet/galeria/fuego.jpeg

 

Vagueava na existência anónima da gente que mastiga os dias, quando o profeta desembestou o dedo decidido, atingindo-me em cheio com o toque das suas verdades. Inesperadamente e inflamado, pressagiou: “Tu, peregrino da vida, arrogante e pretensioso, passarás pelos cuidados do infortúnio e da angústia. Serás penitente em carne e espírito e amargarás as agruras pela soberba e a escolha fácil e irresponsável. Descerás ao crepúsculo do teu orgulho, ao ocaso da tua impertinência. Descerrarás o fogo que te consumirá a insolência e te agasalhará as queimaduras com os óleos suaves da humildade. Perderás tudo… ou quase tudo, aquilo que tinhas por garantido. Revoltar-te-ás contra ti próprio. A guerra civil devastará a paz do teu reino. Assistirás, incapaz, ao despojar dos teus abrigos e dos teus palácios; verás as águas dos teus poços escoarem-se como lava mergulhada no oceano. Conhecerás os entes insidiosos que habitam sob os alçapões dos teus medos. Definharás como se os anos corressem a cada movimento teu.

Estarás SÓ! Só, num buraco lôbrego e fundo, sem forças, atido ao pequeno fio de seda, última resistência ao abismo que abre o precipício que leva ao inferno.

E quando já tiveres desistido, entregue às malas-artes da prostração e da fatalidade, verás a cintilação de uma pequena chispa. Na tua célula escura, algo tentará a ignição da tua vontade, do teu acordar. Um calor crescendo e uma luz firme resgatarão o teu amanhecer às trevas. Enxergarás então os degraus sucessivos para a partida da câmara solitária. Libertarás a fé, primeiro em ti, depois no futuro”.

Respirou fundo e, como possesso, de olhos cerrados, prosseguiu o augúrio: “Da tua penitência por serras e vales nas botas de caminheiro, encontrarás a redenção e vestirás a indumentária de romeiro pelos santuários de uma vida em afortunada companhia. Como a caridade da chuva para com a terra seca, ela virá, com o dom de te fazer titubear alegremente: “Fuego caminha comigo!”. Chamar-lhe-ás Cariño. Respirarás novo alento, novo querer, novo propósito e exaltarás diferentes desígnios para voltares a hastear a tua pessoa. Sim, descobrirás que ainda vives! E ela te dirá: “Juntemos os mundos expatriados; Apaguemos para sempre os filamentos das lâmpadas de experiências toldadas e de memórias enevoadas. Empenho-me contigo em encanto e desafio…”.

À tua frente abrir-se-á a passagem para a felicidade. Pela mão do destino encontrarás a princesa com quem formarás novo reino. Juntarás o pouco que restará de ti (e o teu tesouro mais precioso) e lançarás redes a todas as maravilhas da vida, com reformada convicção e dedicação em crescer, consolidar e criar.

E iniciareis viagem pelo vosso (a)mar. Os frutos virão do vosso querer e da vossa determinação… Tu, de proscrito a abençoado…”

 

Assim seja. Que o olhar atento dos deuses vigie o cumprimento pleno da profecia… agora, que já dá frutos…

Retomo o acreditar em castelos, cavaleiros, princesas e mundos fantásticos… e no feitiço do trovador:  “… e viveram felizes para sempre…”

É o que vos desejo, também!

 

Andarilhus “(º0º)”

II : XI : MMVII

música: Heroes Del Silencio: Heroe de Leyenda
publicado por ANDARILHUS às 08:51

BI

pesquisar

 

Novembro 2007

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

posts recentes

últ. comentários

  • Obrigado!Depois, publicarei os dados/relatos das j...
  • Boa Sorte!!! Já me falaram tão bem dos Pirineus qu...
  • E sempre com o privilégio do teu apoio, amigo!Abra...

mais comentados

Tombo

Visitas

Flag Counter

Viagens

Chegar-se à frente

subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro