Sexta-feira , 13 de Fevereiro DE 2009

A Obra do Amor

http://i3.photobucket.com/albums/y66/Marota/Alma_em_tons_azul.jpg

 

(Amor corde putificat)

 

Espero aprumado

Que me espreites

Com a ternura do acordar,

Só então abro as pétalas da luz do dia,

Só então renovo delicada lida

Do céu em flores rebocar

Com a expressão do teu olhar.

 

Espero ávido

Que me beijes

Com o sabor do despertar,

É quando então ateio o amanhecer,

É quando então recupero o labor

Do arco-íris em colorido intensificar

Com o sorriso dos teus lábios.

 

Espero solene

Que me abraces

Com a resistência ao levantar,

É pois então tempo de recordar a volúpia da noite,

É pois então tempo de voltar a ligar

O coração em assobio travesso de tanto amar.

 

Foi de chofre

Que aceitamos

A aurora que nos veste

Após

A luz da metamorfose nocturna.

 

Posso, desde ti,

Seguir para esconjuradas guerras,

Seguir para apostrofes trabalhos,

Armado e imune pela paixão que nos une.

Amo-te sem senão!

 

(O amor purifica o coração)

 

Andarilhus

V : II : MMIX

 

publicado por ANDARILHUS às 00:00
Quinta-feira , 05 de Fevereiro DE 2009

Protege-me com tuas lágrimas

 

http://farm1.static.flickr.com/7/7114134_61fed26572.jpg
 

 

Atiça a chama que te anima

Em fulgor insubmisso

Entra

No labirinto escuro

Suspenso nas águas turvas

Do mar da minha tristeza

Guia a bênção

Para os altares e nichos

Profanados e despidos

Ocupados por santos ímpios

Exilados no templo ruinoso

Do meu confuso pensamento

Entra

Traz à noite o mel dos deuses

Adoça as papilas agruras

Dos meus dias de fúria

E

Guarda-me em cuidado

Na concha de tuas calejadas mãos

Na sombra atenta da tua clara vigília

Sempre que me topares

A enclausurar ventos em gaiolas de plástico

Sopra-me as passadas

Na tua mestria de lente de estrelas

Na calmaria das águas de teu timão

Sempre que me descobrires

A capturar tornados com redes de borboleta

Segue-me com pacientes travesseiros

Na tua constância de aconchego

Na tenacidade consorte que garantes

Sempre que me surpreenderes

Equilibrado em arames de filigrana…

E

Se te cansares

As tuas lágrimas serão gotas de orvalho

Derramadas sobre as pétalas sedentas

Do meu resgate às presas do alheamento

Para então me redimir

Com os rituais de amor e carícia

Que te quero consagrar.

 

Andarilhus

V : II : MMIX

 
publicado por ANDARILHUS às 09:13

BI

pesquisar

 

Fevereiro 2009

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

posts recentes

últ. comentários

  • Obrigado!Depois, publicarei os dados/relatos das j...
  • Boa Sorte!!! Já me falaram tão bem dos Pirineus qu...
  • E sempre com o privilégio do teu apoio, amigo!Abra...

mais comentados

Tombo

Visitas

Flag Counter

Viagens

Chegar-se à frente

subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro