Opus Magnus

 

http://www.nationalgallery.org.uk/upload/img/michelangelo-dream-human-life-NG8-fm.jpg
 
Ingénuo e visionário
Sulca a dimensão do mundo
Ao alcance da sua mão.
Desafia-se e temerário,
Estranho à cautela,
Dá-se à feição da penhora
Como petisco
À usura de esfaimados grifos.
“Dai-lhe o engodo,
Engordem-no de ilusão,
Empertiguem-no de confiança!
E logo que crente
Apunhalem-no com delicada lentidão,
Tracem-lhe na alma
O cruel mundo decadente…”
 
Perdem-se as causas,
Perdem-se os amores…
 
Humilhado e indiferente
Não resiste todavia
A elevar-se do pesado chão.
Alenta a mão trémula
No sulco de novo mundo,
Novas contidas fronteiras,
Para além da tábua esguia
Do seu prematuro caixão…
E quando, arrancado do fundo sombrio,
Cresce calejada centelha,
Ergue-se em autêntico ser
Enquanto para si murmura
(enquanto para mim murmuro):
“Vive dignamente,
Vive apaixonadamente,
Vive graciosamente,
Sempre!
E morre
Uma ou mais vezes
Em repouso contigo mesmo.
Na sofrida revelação, experimentaste
Que até com a cartilha do pérfido
Se pode ensinar o Bem
Porque
A obra maior do ser humano
É aprender a viver
E honrar a Vida com saber.”
 
Andarilhus “(º0º)”
XXI : X : MMIX

 

publicado por ANDARILHUS às 17:47