As Sombras que Nos Inflamam

http://2.bp.blogspot.com/_UUVCbDoe6CM/Rr0SSjpsr7I/AAAAAAAAANE/H9CNl63GrjI/s320/urubu.bmp
 
Avultava, grasnante, grou necrófago,
Confiante, repousado
Em galho de longa espera.
Entoava bruxedos
Incitando ao definhamento,
Esculpindo sarcófago,
Em lenho esconjurado.
Aves vis subjugavam a Primavera
Atrás da porta dos medos,
Adubavam o desalento
Bem fundo da alma:
… A alma desanimada.
 
Trepanaram o Céu
Em astronómica cavidade.
Invadiram-no pelo covil da traição,
Roeram os livros sagrados
Da justiça;
Estropiaram os candelabros
Do iluminismo divino;
Apagaram as estrelas
Em opressor véu.
E, em tamanha insanidade,
Emboscaram-se na força da razão,
Arremessando dúvidas a apostolados,
Cravando de cristais de cortiça
O íntimo da alma:
… A alma cruzada.
 
E a alma
Fez-se corpórea,
Reencarnando num sono manso,
Em demanda do remendo do céu,
Amputada de audição
Para o sinistro grasnar.
Arvorou-se de confortos
Entre os seus,
Abrigada, de fibras de palma
Teceu a ponte para a vitória.
Estrebuchou e de um balanço
Esfarrapou o abjecto véu
E atulhou a fossa da maldição.
Calou-se pernicioso cantar
Com o tombar de todos os grous, mortos.
Rasgaram-se as tenebrosidades
No coração da alma:
… A alma reacendida.
 
Andarilhus
IX : II : MMX

 

publicado por ANDARILHUS às 22:16