Por Ti Seguirei... (50º episódio)

http://images.uncyc.org/pt/5/53/Legi%C3%A3o_Romana.jpg

 

Nessa noite descontraíram, comeram, dançaram, cantaram e tocaram instrumentos improvisados. Com o desgaste das últimas energias e alguns excessos na bebida, perdoáveis aos rudes e sofridos guerreiros, repousaram sossegados.

A aurora que se seguiu despertou-os para o dia e, novamente, para a grave conjuntura que lhes moldava a existência. A realidade impunha-se e, com ela, as obrigações de cada um e do conjunto para enfrentar as agruras e os obstáculos. Partiram para a etapa final que os levariam até ao centro geoestratégico da Ibéria, por aqueles tempos.

 

Do lado dos romanos, as tropas sobreviventes da contenda, mais calmas e já com alguma lucidez, orientadas por centuriões experimentados, começaram a reagrupar-se. Na orla salubre da floresta construíram um assentamento rudimentar, que serviria de base para a concentração dos legionários extraviados e onde aguardariam as legiões que se deslocavam do Sul e passariam em Lijós, necessariamente.

Os mortos, por motivo da sua quantidade e da falta de quem os inumasse – havia que tratar dos vivos -, continuaram em decomposição rápida das águas acras e estagnadas do pântano ou serviam de pasto a necrófagos. Entre eles, escolheram apenas os soldados com patente, a quem formalizaram sepulturas dignas.

A legião estava um destroço, com quase um terço de finados ou moribundos e outro terço ainda perdido e errante, dos quais alguns jamais regressariam, com receio de serem punidos por deserção. O oficial sobrevivente de categoria mais elevada era um tribuno, seguido de três centuriões. Desconheciam o paradeiro de outros dois centuriões. Todos os restantes superiores estavam enterrados, incluindo o General Octaviano Auris. Na desordem, perderam-se os carros com as provisões e outros pertences da logística, bem como a maioria dos cavalos.

Com as poucas montadas sobrantes, formaram grupos de busca dos companheiros desaparecidos. Os que permaneciam no reduto aplicavam-se em tarefas de limpeza, remendo e arranjo de vestuário, couraças e armas. Recuperavam também algumas tendas que entretanto apareceram presas a arbustos e rochas.

Pelo final desse dia, aumentava o efectivo militar com a incorporação de mais tresmalhados, surgindo também algum acréscimo de conforto com a apanha de lenha para iluminar e sustentar os trabalhos de cozinha. Com a caça garantiam aconchego aos estômagos. A possibilidade de ferver água constituiu-se igualmente numa grande vantagem para o sucesso do trabalho dos cirurgiões, nas amputações, suturas, desinfecção de feridas e até na produção de elixires e unguentos.

Restaurava-se assim, aos poucos, a disciplina e actividade regular militar.

Passados dois dias, chegaram por fim os primeiros efectivos das legiões provindas do cerco a Obila. Mais um par de dias após e toda a força romana na Ibéria estava semeada por Lijós e cercanias, numa extensão que se perdia de vista. Praticamente 5 legiões, num conjunto de cerca de 25.000 soldados. Faltavam apenas os aliados autóctones, arévacos, titos e belos, que se deslocavam desgarrados dos latinos.

Estabeleceram o quartel-general ocasional na cividade. Quintus Scipius, abalado por mais esta derrota e a perda de Octaviano Auris, da qual lhe acabavam de dar notícia, aproveitou para reunir os generais e outras patentes menores e debater o plano de ofensiva sobre os iberos.

- “Generais de Roma terminou a complacência, o erro e o facilitismo com as simulações teatrais do inimigo. Temo-los quase espremidos a um dos cantos da península, não os deixaremos escapar desta vez. Vamos esmagá-los!

Segundo as novas trazidas pelos espiões que enviamos, os bárbaros estão a entrincheirar-se numa fortaleza que denominam de Ribasdânia. O sítio é estratégico, fica numa encosta de montanha o que não permite a utilização de estruturas e armas de ataque, de aproximação à malha defensiva. Apenas faremos uso de catapultas e outras peças de arremesso massivo à distância. O resto terá de ser obtido pelo avanço e valor dos nossos homens. O ataque por Norte está fora de questão: obriga a galgar a montanha nas costas do adversário, o que resultaria na descoordenação das fileiras e à desorganização das unidades, devido ao terreno.

Finalmente, a outra solução será fazer um bloqueio de desgaste, obstruindo as entradas e saídas da fortaleza, esperando o definhar dos seus ocupantes e apostando na iniciativa de ataque deles ou na sua rendição. Quem de vós tiver opinião que a manifeste.

Ouviram-se umas impressões de rouquidão e tosse secas, enquanto se cruzavam os olhares. Ninguém quis colocar em questão a estratégia do Cônsul. Era arriscado demais. De qualquer forma, concordavam com o apresentado. Genericamente, eram os princípios empregues no exército romano, naquele tipo de circunstâncias.

- “Muito bem. Se a apreciação é tacitamente positiva, preparem-se para marchar já amanhã. É essencial alcançar o inimigo o mais depressa possível.”

Logo que se perceberam as primeiras luzes da manhã, o gigante latino colocou-se em movimento, parecendo a grande azáfama e ruído do mercado central de Roma. O número de homens era tão esmagador que foi necessário um grande trabalho de comando para os organizar e para os colocar em movimento, sem que se atropelassem uns sobre os outros. A disciplina e o treino militares ajustaram a interacção de milhares na perfeição.

Só pela entrada da tarde é que as derradeiras fileiras de legionários se juntavam à imensa coluna, despedindo-se de Lijós. Por essa altura o exército romano diluía-se pelo caminho do Norte como um longo rio de copiosas milhas latinas.

Quintus Scipius, no momento em que passou por um ponto alto do relevo, pode contemplar uma vista sobre as suas legiões, alongadas em exemplar ordem pelas planícies adjacentes, que jamais usufruíra. Desabafou então com os seus subalternos mais próximos: - “Quão grande é o poder de Roma! Conseguimos entrar em terras estranhas com tamanha força, capaz de moldar a paisagem, como o estilete criador de Júpiter. Este momento deve ficar registado para que todos conheçam a nossa grandeza.

Mandou chamar dois pedreiros das legiões e ordenou que cinzelassem um monólito de granito, que se destacava na borda do caminho, a jeito de coluna, e nele inscrevessem uma frase simples, mas marcante: “Omnia Vincit Populo Romano” – “O Povo Romano Vence Tudo”.

O mester foi rápido e logo chamou a atenção dos soldados que continuavam a passar. Logo se seguiram os comentários entre eles. Na depuração de várias opiniões, passaram a designar o lugar como o Alto do Populo Romano. Reforçava-se a moral das tropas. O ritmo fazia-se fluído, mas ainda demorariam uns dias para alcançar o alvo.

Por todo este tempo de viagem discorriam as conversas entre os legionários, os quais normalmente marchavam e acampavam numa ordem definida por categorias, ou de classe social ou de idades, formando corpos de infantaria e cavalaria, o que também facilitava o relacionamento inter-pessoal e a afinidade.

Graccus Negro, tribuno de um esquadrão de cavalaria, recordava a sua família que ficara na propriedade, uma villa localizada nas imediações da via que ligava a cidade de Roma ao porto de Ostia. Escutava-o Pôncio Mirtilio, outro patrício, numa das pausas reservadas para a refeição do meio do dia.

- “Pôncio, os meus filhos, Caio e Júlia, por esta hora, devem estar a fazer a maior das travessuras pelo triclínio, gotejando e engordurando os leitos, com as mãos besuntadas pelos alimentos, arreliando a mãe - a minha muito amada Pompeia - e alvoroçando os escravos. A mim também me conseguiam arreliar e castigava-os amiúde. Porém, pudera eu, neste momento, estar junto deles, e sorriria para a sua indisciplina; abraçava-os e afagava-os com toda a força… Já se passaram 21 meses desde que os deixei. De quando em vez consigo enviar uma tabuinha de cera e receber resposta. Vou tendo notícias esporádicas. É pouco…”

- “Compreendo-te camarada. Também sinto saudades dos meus muito estimados pais e irmãos… e de Armónia, a mulher por quem pedi esponsais a seus tios - seus tutores desde que ficou órfã. Não me responderam. O rico e poderoso Senador Marcus Sigilatus não se sentiu obrigado ou ferido na honra por não dirigir verbo a tal proponente: um simples magistrado menor, de família nobre, mas humilde. O exército foi a minha fuga à vergonha, à calúnia, que me acusava de ambicioso e calculista, e a forma de tentar enganar a tristeza. Respeito os meus pais, venero-os e recordo-os nas minhas orações, mas não tenho qualquer intento ou desejo de regressar ao Lácio. Se não for a morte que me aparte da pátria, que seja a vida, em qualquer outro lugar.”

- “Hum, não digas isso, Pôncio. Não alimentes um espírito vencido, sem visões para o advir. És como um frater. Prometo-te que, se superarmos com sucesso esta guerra, partirás comigo, serás convidado em minha casa pelo tempo que queiras e, entretanto, apresentar-te-ei a uma bela jovem – minha cunhada – de seu nome Metella. Conheço-vos bem a ambos e digo-o com toda a confiança: daríeis um excelente casal! Vá, agora come, que se faz tarde.”

Riram-se e concentraram-se nas conservas de peixe seco.

A expansão de Roma arrastava muitas histórias de vida, adiadas, interrompidas e cruzava-as com novas realidades, outras histórias, forjadas em outras cepas, em outras tradições, provocando, por vezes, o fundir de diversos saberes, o encaixe de antagónicas vontades, o aparecimento de novas culturas e sociedades, o refazer de inimizades e amores, a génese de renovadas histórias, de reanimados mundos.

(continua)

 

Andarilhus

XI : VII : MMXI

publicado por ANDARILHUS às 19:45